adsense

siga a gente no twitter

curta nossa página no facebook

terça-feira, 17 de abril de 2012

Hackers: de marginais a heróis da era digital Leia mais em: http://www.tecmundo.com.br/ataque-hacker/22199-hackers-de-marginais-a-herois-da-era-digital.htm#ixzz1sMA4m7z2

Tenha você começado a usar o computador há pouco tempo ou já sendo um verdadeiro veterano desse mundo, com toda a certeza você já leu e ouviu várias vezes a palavra “hacker”. Essas figuras cercadas de mistérios, surgidas na longínqua década de 1960, até pouco tempo atrás eram associadas exclusivamente com o crime e era raro encontrar quem as defendesse.
Porém, mais recentemente, parece que houve uma grande inversão nessa situação. Basta verificar as notícias relacionadas ao Anonymous e ao LulzSec publicadas pelo Tecmundo para ver que, atualmente, não só as atividades desses indivíduos são vistas com bons olhos, como para muitos eles se transformaram em verdadeiros heróis da internet.

Hackers são “do bem” ou “do mal”?

Falar que hackers são “bons” ou “maus” é reduzir a uma visão muito estrita as atividades de um grupo muito amplo de pessoas. Caso eles não existissem, a história da computação poderia ser bastante diferente: nomes como Bill Gates e Steve Jobs, normalmente associados a corporações sisudas, iniciaram sua carreira modificando aparelhos construídos por outras empresas, algo considerado ilegal na época — entre os resultados desse tipo de atividade, está o computador pessoal como o conhecemos atualmente.
(Fonte da imagem: Reprodução/Wikimedia Commons)
Porém, não é possível esquecer que existe o lado assustador da história. Muitos hackers utilizam seu conhecimento para obter informações sigilosas que são usadas em proveito próprio ou simplesmente se divertem prejudicando o trabalho dos outros. Para evitar confusões, é preferível usar o termo “cracker” ao se referir a esse tipo de pessoa em específico.

O “hacktivismo”

Embora não seja possível apontar com exatidão o momento em que a noção de hackers como heróis da internet passou a ser a mais aceita, é fácil entender os principais responsáveis pela mudança. O LulzSec e o Anonymous são os principais responsáveis pelo que ficou conhecido como “hacktivismo”, palavra que designa invasões feitas como forma de protestar contra uma situação ou que tenham como objetivo expor informações sigilosas sobre corporações que prejudicam a população em geral.
(Fonte da imagem: Reprodução/Wikimedia Commons)
Vale notar que esse conceito não surgiu ao mesmo tempo em que os grupos (no caso do Anonymous, diversas facções reunidas por uma ideia em comum). Inicialmente, as ações perpetuadas por ambos nada tinham a ver com ideologias ou liberdade.
O Anonymous, por exemplo, era conhecido por invadir servidores do jogo Habbo Hotel, enchendo a tela com xingamentos (alguns deles de cunho racista) e memes surgidos nas profundezas do 4Chan. O LulzSec também teve sua dose de “brincadeiras”, chegando a publicar no site neozelandês da PBS a notícia de que o cantor Tupac Shakur estava vivo.
(Fonte da imagem: Reprodução/Wikileaks)
Conforme o tempo passou, pôde-se perceber um “amadurecimento” dos hackers, que passaram a apoiar a luta de sites como o Wikileaks. Além disso, casos como a Operação Darknet ajudaram a tirar do ar páginas dedicadas à pornografia infantil, identificando tanto seus administradores quanto aqueles que acessavam o conteúdo ilegal.

O poder das redes sociais

Um dos fatores que mais contribuiu para a popularidade e aceitação do “hacktivismo” é a existências das redes sociais. Além de servir como um canal seguro para a divulgação de informações relacionadas aos ataques realizados (ou que estão sendo planejados), sites como o Twitter permitem que os hackers vejam em tempo real qual a opinião do público sobre suas atividades.
(Fonte da imagem: Reprodução/Twitter)
Através da adoção de discursos que pregam a liberdade individual e defendem o poder do cidadão comum contra as grandes corporações, esses indivíduos conseguiram um grande apoio popular. Prova disso é que, hoje, praticamente qualquer atividade realizada pelo Anonymous é divulgada por centenas (e até mesmo milhares) de pessoas.
De certa forma, é até mesmo possível afirmar que essa grande publicidade teve certa influência nos alvos das invasões. Afinal, enquanto derrubar um site pertencente a uma instituição de caridade geraria pouco apoio, é difícil encontrar alguém que tenha uma opinião muito boa sobre os sites do Congresso brasileiro ou nutra muita simpatia pelas instituições bancárias do país.

Eu corro algum risco?

O aumento do número e da abrangência das atividades do Anonymous geram preocupações em muitas pessoas. Afinal, se sites de grandes empresas de segurança são acessados com tremenda facilidade, qual a chance que um cidadão comum pode ter contra pessoas desse tipo?
O fato é que, mais do que se preocupar com os grupos populares da internet, é preciso ficar atento para não cair na rede de crackers que atuam de forma silenciosa. Ao contrário do que acontecia durante a década de 1990, esse tipo de criminoso não perde mais tempo invadindo sites localizados em serviços de hospedagem gratuitos.
(Fonte da imagem: ThinkStock)
Atualmente, é muito mais comum que eles convençam você mesmo a abrir as portas do seu computador para obter as suas informações pessoais. Além do famoso phishing (prática que faz cópias idênticas de sites famosos), os crackers modernos são os responsáveis por enviar as famigeradas mensagens falsas que povoam as caixas de spam (aliás, as fotos da festa ficaram ótimas) e por explorar brechas de segurança que fazem com que milhões de computadores sejam infectados por malwares.
Claro, não podemos deixar de lado os efeitos colaterais que algumas das atividades do Anonymous e LulzSec geraram. Quem tem uma conta da PlayStation Network sabe que não foi nada agradável ter que mudar de senha e aguardar um longo tempo enquanto a Sony corrigia as brechas de segurança exploradas pelos hackers durante o ataque massivo à rede ocorrido em 2011.

O que mudou com o “hacktivismo”?

Até o momento, é muito difícil afirmar com convicção que as atividades de hackers como aqueles que apoiam a ideia do Anonymous surtiram grandes consequências em nossa vida diária. Embora alguns executivos tenham perdido o trabalho, é difícil ver mudanças concretas na maneira como grandes corporações atuam, e ainda estamos longe de obter a liberdade tão prometida pelos hackers.
Porém, seria um erro dizer que tudo permanece igual. Cada vez mais empresas começam a revisar seus sistemas de segurança, e é difícil encontrar quem se sinta realmente seguro contra um ataque hacker. Além disso, as atividades do “hacktivismo” foram muito importantes para evitar que leis como o SOPA fossem aprovadas e para que eventos como o Occupy Wall Street tivessem grande repercussão.
Ao que tudo indica, os verdadeiros resultados só vão poder ser analisados dentro de alguns anos. Até lá, prepare-se para ver várias notícias envolvendo nomes como o Wikileaks, Anonymous, LulzSec e os outros grupos que devem surgir no futuro.
 

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Aprenda a desenvolver a memória fotográfica em apenas um mês É possível ter uma mente como a de grandes gênios, repleta de registros, como acontecia com Albert Einstein. O Tecmundo mostra para você que só é necessário um pouco de treinamento.

Ter uma memória fotográfica é algo muito desejado, porém, bastante raro e, grande parte das pessoas que a tem já nasce com ela. No entanto, segundo o site eHow, é totalmente possível treinar a mente para lembrar de detalhes em fatos do dia a dia.
O treinamento conta com sete passos simples e exige apenas dedicação. Em um mês você já deve ser capaz de registrar informações com muito mais facilidade. Assim, fica muito mais fácil memorizar qualquer texto ou situação. Você não vai precisar perder muito tempo decorando conteúdo para provas, nem mesmo precisar de papel para anotar endereços ou números de telefone que visualizar em algum lugar. Pronto para o desafio?
Antes de começar, tenha em mente que, mesmo que a média de aprendizagem seja de um mês, o sistema pode ser demorado e cada pessoa tem seu tempo para absorver a técnica. Não perca a paciência, nem desista no meio do caminho. O processo que vamos ensinar é usado em treinamento militar há mais de 70 anos e é muito eficiente, basta ter persistência. Depois de muito treino, você será capaz de executar a técnica em qualquer lugar, a qualquer hora do dia.
Atenção: o processo deve levar cerca de um mês e você precisa repetir diariamente o treinamento, durante 15 minutos. Neste primeiro mês, seus olhos devem demorar cerca de cinco minutos para se ajustarem a leitura na luz natural.
1 Prepare uma folha de papel com um parágrafo impresso isoladamente, ou pegue uma folha em branco e recorte um retângulo no meio, criando o espaço necessário para um parágrafo de livro ou revista que você escolheu para memorizar durante o treinamento.
2 Encontre um quarto escuro, totalmente livre de distrações. Pode ser uma sala, seu quarto ou, até mesmo o banheiro. O importante é que o local seja escuro e que proporcione total foco no processo. Lembre-se de que você não ser interrompido por 15 minutos.
3 Sente-se ao lado do interruptor de luz com o seu livro e a folha em branco.
4 Cubra a página inteira, deixando à mostra apenas o parágrafo escolhido. Feche os olhos e abra. Então, ajuste a distância do livro de forma que seus olhos se concentrem instantaneamente e com facilidade no conteúdo.
5 Desligue a luz. Você vai ver um brilho enquanto seus olhos se acostumam à escuridão. Sem perder o foco do texto, ligue a luz por um segundo e desligue rapidamente.
6 Com isso, você deve ter uma espécie de impressão do conteúdo em seus olhos. Quando a imagem do texto desaparecer, ligue e desligue novamente a luz, com um intervalo de apenas um segundo.
7 Repita o processo até que você consiga se recordar de cada palavra do texto escolhido. Após alguns minutos, você será capaz de visualizar mentalmente o parágrafo.
 

domingo, 15 de abril de 2012

marcha contra corrupção 21.04.2012

MARCHA CONTRA A CORRUPÇÃO - SP - Capital
A Marcha Contra a Corrupção estará acontecendo em várias cidades do Brasil no mesmo dia e faz parte do movimento "Quero o Fim da Corrupção".
Link da comunidade: http://tinyurl.com/75476on

OBJETIVOS
O grupo tem como principais objetivos:
- Expandir e divulgar o grupo, assim como nossos projetos e idéias;
- Aprovar nosso projeto de lei, link http://tinyurl.com/7zm8966;
- CONSTITUCIONALIDADE DA FICHA LIMPA;
- Corrupção para Crime Hediondo;
- Aprovação do nosso projeto de lei;

MARCHA E PROTESTO
Local de concentração MASP.
Levem amigos, faixas, cartazes, panfletos, idéias e tudo que possa nós ajudar!

REGRAS DO EVENTO
LEMBRANDO QUE NÃO USAREMOS DE VIOLÊNCIA E VANDALISMO!
QUEREMOS A SOCIEDADE JUNTO CONOSCO E NÃO CONTRA NÓS!
PAIS DE FAMÍLIA ESTARÃO PRESENTES!
MARCHAREMOS COMO UM EXÉRCITO MAS JAMAIS LEVANTAREMOS A MÃO!
NÃO QUEREMOS BANDEIRAS! ESSE É O MOVIMENTO DA UNIÃO!

O grupo é de todos, os coordernadores só estão ai para ajudar na organização e bem-estar. Toda sujestão é bem-vinda e será levada em conta.
CHAMEM O MÁXIMO DE AMIGOS POSSIVEL. VAMOS LA SÃO PAULO!

- Coordenador do projeto: Rafael Frota Carvalho

- Coordenador São Paulo - Rafael Frota Carvalho e Felipe Pedroso de Carmargo

Projeto secreto da Valve é uma tecnologia que pode ser vestida

Ontem, alguns rumores circularam sobre a disponibilização de vagas para engenheiros de hardware na Valve. Isso reforçou a ideia de que um console da empresa poderia estar em processo de pré-produção, mas ninguém conseguia afirmar isso com certeza. Hoje, a própria empresa foi a público para contar sobre o que se trata o novo projeto.
Segundo o The Verge, Michael Abrash (um desenvolvedor da Valve) revelou que se trata de um novo hardware que pode ser vestido. Não há qualquer detalhe sobre o que está sendo realmente criado. A própria desenvolvedora afirma que, por enquanto, são apenas projetos de Pesquisa e Desenvolvimento. Mas por se tratar de algo “wearable” (vestível), as maiores probabilidades são de que sejam óculos ou visores HUD.
Por isso, é bom não esperarmos nenhuma novidade bombástica para os próximos meses – nada de tecnologia inovadora na E3. Vale lembrar que ainda não foi explicada a visita que Tim Cook (CEO da Apple) teria feito aos escritórios da Valve. Será que tudo isso tem alguma relação com a Apple?
 

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Menina de 4 anos tem QI quase igual ao de Albert Einstein e Stephen Hawking

Pequena inglesa já sabia ler e realizar operações matemáticas simples com apenas 2 anos de idade.


Heidi Hankins, uma garotinha inglesa de apenas 4 anos de idade, acabou de ser aceita pela Mensa —organização internacional que reúne pessoas com QIs na faixa dos 2% mais altos da população — após alcançar 159 pontos nos testes oficiais, ficando apenas 1 ponto abaixo de gênios como Albert Einstein e Stephen Hawking. De acordo com a organização, a pontuação média de um adulto é 100, e para ter o QI considerado alto, a pessoa deve alcançar 130 pontos.
De acordo com o Daily Mail, que conversou com os pais da menina, Heidi já sabia ler, somar, subtrair e recitar poemas aos dois anos de idade. As professoras da escolinha que a menina frequenta sugeriram que ela fizesse o teste de QI depois de perceber que ela era tão inteligente, que existiam poucas atividades que realmente a desafiassem.
Heidi realizou um teste específico para crianças de sua idade, e John Stevenage, CEO da Mensa britânica, afirmou que é pouco provável que os resultados da menina mudem com o passar do tempo.

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Ciência propõe um brinde: cerveja não faz a barriga crescer

Esqueça o que já foi falado sobre a “barriguinha de cerveja”. Segundo alguns cientistas da Alemanha, ela não passa de um mito. Em uma pesquisa que durou quatro anos e envolveu quase 20 mil pessoas, foi constatado que a chance de uma pessoa que bebe cerveja ter a barriga aumentada é a mesma de pessoas que não bebem.
Mas isso não significa que a bebida não cause aumento de peso. Ela interfere diretamente no acúmulo de gordura corporal total – ou seja, faz com que todo o corpo possa ser engordado, não apenas a barriga. As mulheres que participaram da pesquisa, por exemplo, tiveram acúmulo de gordura muito mais frequentemente na região dos quadris.
Segundo mostrado pelo Info, a pesquisa também revelou quais são as quantidades de cerveja que homens e mulheres julgam como sendo um consumo moderado. Para elas, isso representa quantidades de até 250 mL da bebida. Já eles afirmam que entre 500 e 1000 mL ainda é algo aceitável para um dia.

Fonte: http://www.tecmundo.com.br/mega-curioso/21779-ciencia-propoe-um-brinde-cerveja-nao-faz-a-barriga-crescer.htm#ixzz1rHif5KHt